março 2016

Temos de Ter Novamente uma Liderança Espiritual

Temos de Ter Novamente uma Liderança Espiritual

A. W. Tozer

Alguém escreveu ao piedoso Macário, de Optino, que o conselho espiritual que ele dera tinha sido de muita ajuda. “Isso não é verdade” – Macário escreveu em resposta. – “Somente as falhas são minhas. Todo bom conselho foi o Espírito Santo que deu; eu apenas pude captá-lo de forma correta e passei-o adiante sem distorcê-lo.”.

Há uma excelente lição aqui que não podemos deixar passar despercebida. É a afável humildade daquele homem de Deus. “Somente as falhas são minhas.” Ele estava totalmente convencido de que os seus próprios esforços dariam como resultado apenas falhas, e de que toda boa coisa que proviera do seu conselho era uma obra do Espírito operando nele. Aparentemente isso foi mais do que um simples impulso de auto depreciação, que o mais orgulhoso dos homens toma de vez em quando. O que aconteceu foi, antes, uma convicção firme que ele tinha uma convicção que norteava toda a sua vida. Seu longo ministério, desenvolvido com humildade, que contribuiu para a vida espiritual de multidões, revela isso com clareza mais do que suficiente.

Nos dias de hoje, em que “figurões” que se projetam por aí levam a obra de Deus segundo os métodos do mundo dos espetáculos, como é bom trazermos, mesmo que por um momento, às páginas de um livro, um homem sincero e humilde que não procura projetar-se diante dos outros e que coloca toda ênfase na obra que Deus nele tinha realizado. Creio que o movimento evangélico prosseguirá em seu desvio, cada vez mais, da posição neotestamentária, até que a sua liderança abandone a postura das estrelas espirituais dos dias de hoje, tornando-se santos que a si mesmos se diminuam, e que não estejam buscando louvor algum nem posição nenhuma, e que se satisfaçam tão somente quando toda a glória é atribuída a Deus, sendo eles mesmos totalmente esquecidos.

Até que apareçam de novo homens desse quilate para assumir a liderança espiritual da igreja, a nossa expectativa será a de uma progressiva deterioração na qualidade do cristianismo das pessoas em geral, até que alcancemos o ponto em que o Espírito Santo, entristecido, retire-se tal como a glória de Deus retirou-se do templo, e assim fiquemos como Jerusalém depois da crucificação: desertada por Deus e só. Apesar de todo esforço feito para distorcer a doutrina para provar que o Espírito não abandonará os homens religiosos, pelo que temos visto está claro que às vezes o Espírito age dessa forma. No passado ele abandonou grupos que tinham ultrapassado o ponto de retorno para se recuperarem.

É uma questão ainda não definida essa a de ter, ou não, o movimento evangélico pecado demasiadamente e ter se afastado de Deus além do ponto de uma volta para a sanidade espiritual. Pessoalmente creio não ser tarde demais para que haja arrependimento, se apenas os assim chamados cristãos de hoje repudiarem toda má liderança e buscarem a Deus de novo em verdadeiro arrependimento e com lágrimas. O “se” desta frase é que é o grande problema: será que eles agirão dessa forma? Ou será que eles se encontram totalmente satisfeitos, brincando de ser cristãos, e nem se dão conta do seu triste desvio em relação à fé do Novo Testamento? Se isso é verdade, então nada nos resta a não ser o juízo de Deus.

O que o diabo constantemente faz é valer-se de coisas que chamam muito a atenção, mas que não têm valor algum. Ele sabe muito bem como desviar a atenção do intercessor cristão dos ataques sutis, porém mortais, que ele faz, de forma a que se dediquem a questões mais óbvias e menos danosas. Então, quando os soldados do Senhor reúnem-se, animados, diante duma porta, ele entra por outra, sem ser notado. E quando os “santos” perdem o interesse pela coisa com que o diabo lhes atraía a atenção, então eles voltam e encontram o recém-batizado e devoto inimigo conduzindo os acontecimentos. A tal ponto deixaram de reconhecê-lo que logo adotam seus modos de agir e o chamam de progresso.

Nos últimos vinte e cinco anos temos visto realmente uma mudança muito grande nas crenças e nas práticas da igreja evangélica, algo tão radical e inusitado que quase não dá para crer, e tudo tem acontecido de maneira acobertada por uma ardente ortodoxia. Com uma Bíblia debaixo do braço e um pacote de folhetos no bolso, as pessoas religiosas agora se reúnem para prestar “cultos” tão carnais, tão pagãos, que mal se diferenciam dos velhos espetáculos de vaudeville de outros tempos. E quando um pregador ou um editor se dispõe a denunciar essa heresia, o que ele está fazendo é dar margem para ser ridicularizado e insultado de todo lado.

Nossa única esperança é que uma renovada pressão espiritual venha a ser exercida de forma crescente por homens corajosos e despretensiosos que nada desejem a não ser a glória de Deus e a purificação da igreja. Que Deus nos envie homens assim, em grande quantidade. Eles já estão atrasados.

(Extraído do livo “Este Mundo: Lugar de Lazer ou Campo de Batalha?”, Editora Danprewan, 2000.)

The following two tabs change content below.
A. W. Tozer
Aiden Wilson Tozer nasceu na Pennsylvania, EUA, em 1897. Embora tenha morrido em 1963, sua vida e legado espiritual continuam atraindo muitos para um conhecimento mais profundo de Deus. Tozer desejou saber mais do Salva­dor, como servi-lO e adorá-lO com todo o seu ser, e chamou os crentes para voltarem à posição autêntica e bíblica que caracterizou o início da Igreja, uma posição de fé e santidade profundas.


DEIXE SEU COMENTÁRIO

Deixe uma resposta